IDS-Logo
Satz und SatzgefügeComplex sentencesOração e períodoSatz und SatzgefügeFrasi complesseSatz und Satzgefüge

Coordenador:

Prof. Dr. Hardarik Blühdorn

 

Assitente de pesquisa:

Carolina Iazzetta Alves
(07-12/2013)

Martina Richter
(02/2014-08/2015)

Canan Sertkaya
(11/2015-04/2017)

Júlio Junqueira
(desde 06/2017)

Oração e período.
Uma abordagem contrastiva:

Alemão – Português – Italiano


 

Descrição do projeto

O projeto se dedica à sintaxe, estrutura informacional e semântica da frase simples e complexa no alemão, em comparação com as línguas românicas português e italiano. As seguintes questões estão no foco do interesse:

  • Quais tipos de orações existem?
  • Como se constroem orações complexas?
  • Como se interliga a estrutura sintática com o significado da oração?
  • Como se adaptam orações (e outras expressões linguísticas) para finalidades comunicativas?
  • Quais funções pragmáticas podem ser assumidas por frases na conversação?

Entre as línguas comparadas observam-se diferenças tipológicas relevantes sob o ponto de vista das questões acima:

  • A oração alemã possui duas posições para o verbo, que juntas formam sua “estrutura parentética”. Orações principais e subordinadas típicas têm estruturas distintas (verbo flexionado anteposto vs. verbo flexionado no final). Em orações do português e do italiano, o verbo ocupa uma posição central, contígua ao sujeito. Orações principais e subordinadas típicas não apresentam diferenças em suas estruturas.

  • Uma oração alemã típica contém uma forma verbal finita. Orações reduzidas com formas verbais não-finitas são raras e pouco diversificadas. Existem muitas opções para construir grupos nominais de alta complexidade. Nas línguas portuguesa e italiana, a incidência de orações reduzidas com formas verbais não-finitas (infinitivos, particípios e gerúndios) é significativamente maior e as possibilidades de uso são mais ricas. Orações subordinadas com verbo finito e grupos nominais de alta complexidade têm um papel menos importante do que em alemão.

  • Em alemão, a estrutura informacional é codificada principalmente por meios prosódicos (acento e entoação). Nas línguas românicas, recursos sintáticos têm um papel mais importante: orações clivadas em português, anteposição de constituintes no italiano.

Os recursos linguísticos do alemão e das línguas românicas não são totalmente distintos, mas o suficiente para que particularidades gramaticais de cada língua possam ser observadas. Dependendo do ponto de vista, ora a língua portuguesa, ora a língua italiana apresentam maior similaridade com a alemã.

 

Dados, métodos e objetivos

O projeto se apoia em dados provenientes dos corpora do IDS e de outras fontes semelhantes. Os objetivos são principalmente descritivos, em conformidade com a gramaticografia tradicional, complementada por ferramentas teóricas e terminológicas recentes (estrutura dos constituintes, estrutura da informação e semântica frasal). É prevista a publicação dos resultados em forma monográfica.

 

Público-alvo

O projeto dirige-se principalmente a linguistas, gramaticógrafos e docentes dos cursos superiores de Germanística e Romanística. Os resultados obtidos podem também interessar a professores de segundo grau de alemão, português e/ou italiano. Os objetivos do projeto incluem a aplicação didática de pelo menos alguns dos resultados.

O projeto entende-se como interlocutor para germanistas na Itália e nos países lusófonos.

 

 

Parcerias

Orientação de dissertações e teses

Publicações

 


Formatação da página: Martina Richter.